PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2014
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - EM UM NOVO TEMPO....

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            O passar do tempo é tema que me fascina, mas, sobretudo, que me apavora. Por conta desses sentimentos, inclusive, o tempo já se tornou um de meus personagens principais, habitando muitos de meus textos, realidade brincando de ficção e ficção querendo ser realidade.

            E assim, sem que eu me tivesse me dado conta por completo, sem que eu conseguisse realizar os propósitos que me coloquei com meta, sem que eu tivesse tempo de me despedir de quem resolveu ir passear pelos campos do além, mais um ano se passou, feliz e infelizmente.

            Há anos em nossas vidas que passam meio insípidos, inodoros, mas esse não foi o caso de 2014, que se mostrou um ano particularmente intenso para mim. Foi um ano de muito trabalho, de várias preocupações, de muitos planos e de mudança de planos também. Passei alguns sustos com resultados de exames, passei raiva com algumas injustiças e me penitenciei por atitudes que tomei sem pensar, pelas pessoas que eu talvez tenha feito sofrer sem razão.

            Mas também foi um período de boas e fortes emoções. Em meio a risadas entre amigos, foi um ano para estar em família e para reafirmar a importância de estar ao lado daqueles que amamos. Mais um ano com meus amigos caninos, pequenas bolas de pelo que mais me lembram esponjas lotadas de xixi, mas que protagonizaram vários dos meus bons momentos.

            Conheci muitas pessoas, fiz amigos, perdi alguns e enxerguei melhor outros. Lutei pelo que acreditava e dei o braço a torcer nas vezes que errei, mesmo quando sabia que isso não mudaria muita coisa. Fui a lugares nos quais nunca havia estado antes. Aprendi línguas, aprendi um instrumento musical, pintei, bordei, sorri e chorei, tudo junto e fora de ordem...

            Li mais do que tinha tempo livre e escrevi muito menos do que deveria. Não terminei meus inúmeros livros começados, nem os tapetes, nem os sonetos, nem plantei todas as sementes que escolhi. Ainda assim, colhi muito do que plantei, de um jeito e de outro. Se me entristeci com parte dos frutos foi porque não consegui decifrar o pé que os jogou para mim, o que eu fiz que tenha resultado neles, mas continuo nessa busca, sempre...

            Há tempos de ficar nos portos e há tempos de velejar. Estive muito tempo no cais. Sinto, agora, a brisa que fresca sacode os cabelos de minha alma. Sei que estou prestes a deixar a calmaria e me lançar ao mar. Sei que há muitas mudanças vindo por aí, inclusive de dentro de mim. Estou rumo a novos planos, novos desafios e sinto, de fato, minha vida se reinventar. Sei também que muitos estão imbuídos do mesmo propósito, da mesma ânsia.

            Desejo a todos, como desejo a mim mesma, desse modo, que 2015 seja ano de ímpares realizações, de crescimento, de amores, de amigos, de paz necessária para entender como tudo isso chega até nós e de forças para resgatar os sonhos que vamos perdendo pelo caminho, órfãos de nós mesmos ou de nossos esforços...

            Agradeço a cada um que dedica seu precioso tempo para ler o que eu escrevo, meus cúmplices nessa empreitada de pensar as coisas, as pessoas e o mundo. Obrigada a todos aqueles que me permitem ser lida, publicando os pensamentos que ofereço ao papel. Que venha 2015, pois estaremos a postos...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 12:34
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links