PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 29 de Junho de 2015
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - NAS ENTRELINHAS DO METRÔ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Uma das características que mais aprecio em São Paulo é a diversidade. Diversidade de serviços, de lugares, de pessoas, de culturas. Amo essa multiplicidade que permite infinitas possibilidades de cultura, lazer, trabalho, amizades, diversão e comportamentos. Em todo bairro de São Paulo existe um mundo em menor escala. Para uma curiosa observadora contumaz como eu, é um verdadeiro laboratório.

            Da mesma forma, circular pelas linhas do Metrô dessa que é uma das maiores cidades do mundo, é igualmente, sob o ponto de vista comportamental, uma fonte quase inesgotável. Por óbvio que, eventualmente, circular em dias de muito movimento, com gente saindo pelo ladrão, torna as coisas um pouco mais difíceis, eis que até o humor sofre variações. Como de ordinário eu não faço uso desse meio de transporte em horário de pico, consigo ficar em posição de observação e, invariavelmente, acabo me surpreendendo e me divertindo.

            Uma das situações que mais chama minha atenção é o uso dos assentos preferenciais. Reservados a idosos, gestantes e pessoas com crianças de colo, referidos lugares são de uso livre quando não houver, no vagão, pessoas nessas condições, o que, na prática, é quase nunca. Por hábito, mesmo não havendo nenhum “candidato” à ocupação desses lugares, eu os utilizo. Primeiro porque, na maior parte das vezes basta que o trem avance uma única estação para que entre alguém que deve pode fazer uso e, em segundo, porque ainda posso me dar ao luxo de permanecer em pé sem que o andar do metrô me arremesse ao chão.

            Hoje mesmo, no dia em que escrevo esse texto, seguia eu para o trabalho e precisei ir de metrô. Tão logo entrei fiquei feliz por não estar lotado, embora sem que houvesse algum lugar livre para me sentar. Acomodei-me em um canto qualquer e constatei que todos os assentos preferenciais mais próximos estavam ocupados por pessoas jovens, não gestantes e sem crianças, de colo ou não. Praticamente todas estavam fingindo dormir. Pensei, por um instante, se achavam que isso as tornava invisíveis, mas por óbvio que o problema é bem outro.

            Assim que o metrô parou na próxima estação, desconfiei que o fizera no horário de saída de alguma convenção da terceira idade, já que o vagão foi praticamente tomado por idosos. Alguns deles nem olharam para os assentos aos quais tinham direito e foram encontrando um lugar para se apoiarem, sem qualquer aparente expressão de desconforto. Outros, pela fragilidade da idade muito avançada ou das condições de saúde, olhavam com olhares aflitos para as cadeiras azuis, desejosos de que alguém fizesse a gentileza de desocupá-los. Uma mulher, entretanto, chamou especialmente minha atenção. Creio que fosse idosa em termos jurídicos, mas não aparentava qualquer limitação física, estando muito bem vestida e equilibrada sobre um salto alto.

            A mulher entrou no vagão e literalmente foi para cima de uma moça que “cochilava” impunemente. Deu-lhe um cutucão e apontou para o aviso de Assento Preferencial. Sem muito constrangimento e com má vontade, a moça se levantou o mais devagar que pode e imediatamente o lugar foi ocupado pela impaciente “idosa”. Sentada, abriu um livro e começou a ler, despreocupadamente. Na frente dela, uma velhinha, de cabelinhos brancos, calcando sapatilhas desgastadas, segurava-se na barra lateral. Um rapaz que estava sentando em um assento convencional logo se levantou e ofereceu o lugar para ela que, com um olhar firme, voltado para a “colega” que seguia sentada e alheia aos demais, agradeceu e disse que não precisava, pois já ia descer na próxima estação.

            Desci na mesma estação que ela e notei que caminhava bem lentamente, até com alguma dificuldade. Fiquei pensado, refletindo sobre a cena que presenciei, que há muita gente mal educada no mundo, mas principalmente que há uma diferença abissal entre ser idoso e ser velho. Aquela senhorinha, com certeza, não era velha. Já a outra...

 

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 11:49
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links