PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - O PATINHO, A VIDA E A MORTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Já cheguei naquele ponto no qual temo ser repetitiva e, assim, não sei se já contei essa história, mas tenho a impressão de que não. De toda forma, pensando em algumas coisas que marcaram minhas últimas semanas, foram esses os fatos e sentimentos que me vieram à mente.

            Quando criança, meus avós maternos, durante um certo período tiveram uma fazenda no Estado do Mato Grosso, próxima à cidade de Cuiabá. Em uma das visitas que fizemos, descobri que criavam patos e marrecos. Louca por animais desde sempre, criei e alimentei a ideia de que seria muito legal se eu também pudesse ter patos e marrecos. A logística, contudo, era um pouco complicada, pois havíamos viajado de avião e de trem até lá e levar um pato junto não seria simples ou até possível.

            Minha avó sugeriu que eu levasse ovos de patas e marrecas e levasse para que as galinhas que eu criava na casa da minha avó paterna pudessem chocar. Segunda ela, daria certo, sendo uma prática até comum. No dia da partida, lá ia eu com uma dúzia de ovos meticulosamente embalados, um a um, com jornal. Colocados em uma caixa, eu os levava como meus tesouros, ansiosa em conhecer meus patinhos e marrequinhos.

            Passei a viagem segurando-os como se os pudesse, eu mesma, chocar. Cuidei para que não quebrassem, para que não balançassem e agora, mais de três décadas depois, fico me perguntando como me deixaram levá-los no avião, no meu colo, mas, na época, essa preocupação não estava no meu rol de pensamentos.

            Os ovos chegaram íntegros e foram colocados sob galinhas especialmente selecionadas para a especial tarefa. Contei todos os dias, minutos e segundos, mas a despeito de todo meu cuidado, apenas um patinho veio ao mundo. Amarelo, manso, ele era cuidado pela mãe galinha e admirado por todos. Ganhou uma bacia de água para nadar e mil projetos de construção de uma mini lagoa...

            Menos de uns dois meses, entretanto, talvez em um rompante de ciúmes, uma galinha malvada bateu nele até que o matou. Todos ficaram tristes, sobretudo eu e minhas irmãs, encantadas que estávamos com o patinho. Não fazia sentido ele morrer daquele jeito. Não depois de tudo que eu havia feito e sonhado. Senti tanta dor, daquela de quem ainda não havia perdido ninguém importante antes disso, que prometi a Deus que eu ia crescer, estudar medicina e que acharia a cura para morte. Simples assim. Tudo que eu teria que fazer era crescer e estudar. No mais, eu resolveria.

            O tempo passou e eu continuei me revoltando com as despedidas sem sentido, com a morte que só fazia magoar e levar embora as pessoas e as criaturas amadas. Entendi que não havia cura para morte. Não uma cura terrena. Desisti da medicina. Desisti da veterinária. Eu não queria lutar em desvantagem eterna. Parti para o Direito, pois ainda seria possível, vez ou outra, vencer disputas humanas, passageiras. O importante não seria vencer, mas ter a chance de fazê-lo. Com a morte, não há braço de ferro que se alongue.

            Nunca mais tive outro patinho, mas jamais pude me esquecer daquele e da saudade que ele me deixou. Eternizado na minha memória e talvez na memória de quem se dê ao trabalho de ler esse texto, ele deu importantes lições, mesmo sem saber. Talvez, por conta dele, em uma sequência de acontecimentos posteriores, eu também tenha resolvido escrever, pois apenas e tão somente na ficção é que se faz possível o impossível.

            Na história que reescrevo, o Patinho cresceu, nadou, foi feliz e, um dia, simplesmente sumiu desse mundo, indo morar ao lado de todos que o tempo levou para o Céu do meu coração...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 11:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links