PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 17 de Janeiro de 2016
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - SÓ NO ÚLTIMO PAU DE ARARA

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sempre que posso, tento programar uma viagem nas minhas férias. Na época de faculdade eram sempre pequenos passeios, normalmente contando com a boa vontade de amigos ou parentes que nos emprestavam seus imóveis em alguma cidade de praia. O tempo passou e agora eu me organizo para alguma viagem mais distante, sobretudo porque existe uma condição chamada parcelamento.

Assim, nesse ano, foi a vez de conhecer um pouco do Ceará. Embora não seja uma adepta de torrar ao sol, eu amo praia. Gosto da brisa, de caminhar de manhã pela areia, do céu azul em contraste com o verde esmeralda da água. Outra coisa que me atrai é a culinária, porque gosto muito de peixe e de frutos do mar. E cada vez que ouço alguém dizer que camarão é barata do mar, eu penso que se as baratas caseiras fossem tão gostosas quanto, vários problemas estariam resolvidos...

Assim, após avaliar as possibilidades, resolvemos por um hotel situado em uma praia menos badalada, própria para quem quer descansar e tomar banho de mar.  A praia do

Cumbuco foi nossa escolha. À trinta quilômetros da capital Fortaleza, a praia fica no minúsculo município cearense de Caucaia. Infelizmente, minha primeira impressão de Fortaleza não foi das melhores, porque tudo que eu pude ver foi sujeira e pobreza. O caminho do aeroporto para a praia só passava pela periferia e, desse modo, constatei  que o descaso dos governantes com a população carente é reincidente. Não é de se espantar, pelo pouco do que vi, que Fortaleza seja mais uma cidade com surtos de toda espécie de doenças transmitidas por mosquitos. Tenho certeza de a cidade deve ter lugares bonitos a conhecer, mas vai ficar para outra oportunidade.

Já no Hotel, que era muito gostoso, várias coisas chamaram a minha atenção. Primeiramente, achei o povo cearense extremamente gentil e solícito, bem diferente de outros lugares nos quais já estive. Uma triste constatação foi ver que não importa quantas estrelas um hotel tenha, gente mal educada frequenta todo tipo de lugar. Ainda que a praia seja limpa, daria para fazer castelos de tampinhas de garrafa e de copos de plástico e eu me pergunto se levar as coisas até o lixo seja um esforço cívico tão intenso.

Outra coisa que me deixou a ponto de arrumar uma confusão na praia foi ver que um rapaz trazia um pequeno Jerico para que as pessoas pudessem nele seguir montadas pela praia. Para começo de conversa, o sol estava escaldante e pobre animal não tinha uma sombra na qual se abrigar, tampouco água que eu pudesse ver a ele ser servida. Quando uma mulher imensa foi até o dono do  animal, que no máximo deveria dar voltas com crianças, e nele montou, eu vi, ao longe, as pernas do bicho fraquejarem. Enlouquecida, foi na direção deles, mas fui detida pela turma do "deixa disso", sob o argumento de que não adiantaria nada. O pior é sei que eles estão certos, mas isso não tira a minha certeza de que, talvez eu pudesse fazer alguma diferença. Sob o peso da minha omissão, vi a cretina se distanciar e lamentei pela falta de sensibilidade e de senso de justiça que vem se tornando a regra entre as pessoas.

Depois de alguns dias no hotel, comecei a reparar para os rapazes e moças que faziam a recreação na beira da piscina, também eram encontrados divertindo as crianças, fazendo show de  humor à noite e também eram vistos vestidos de personagens que iam abordando os hóspedes, de modo divertido, dentro do hotel. Quando encontrei uma das moças sendo responsável pela entrega das toalhas, pensei que, se não fosse o caso de serem "umpa lumpas", essa era uma prova de que o povo é trabalhador e talvez um pouco explorado.

Já nos últimos dias da nossa estadia, fomos conhecer uma praia nas redondezas, em uma cidadezinha ainda mais afastada da capital. Fui olhando o caminho e, além de pés de caju e carnaúba, não vi nada mais plantado, o que achei curioso. Na cidade, vi uma placa de advogado, o que me fez pensar que, de fato, já estamos em todo lugar mesmo. Notei também que a cadeia pública era na esquina, e as janelas da cela davam para a rua! Tinham vista panorâmica!

O comércio não era de todo ruim e, ainda que mal houvesse asfalto, tinha uma loja do Boticário! O cemitério ocupava meio quarteirão, ao lado de casas e outras lojas. Era a morte como parte da comunidade...

Não sei se terei a oportunidade de voltar ao  Ceará, mas saio daqui levando muita história na memória e com o desejo de que os cearenses possam ter mais oportunidades para não deixarem esse belo estado no último pau de arara...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:49
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links