PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
FALECEU SÓNIA CINTRA

 

 

 

 

a-1-2-Sonia-Cintra-e-Hernani-Donato.jpg

 Sonia Cintra com Lycia Fagundes Telles

 

 

 

 

 

 

 

 

        Acabamos de conhecer a triste notícia do falecimento da conhecida ensaísta e escritora, brasileira, Sónia Cintra, vítima de doença cancerosa. Ilustre e assídua colaboradora, do nosso blogue.

           A Profª Doutora Sónia Cintra, nasceu em Amparo, a 3 de Junho de 1949. Era cidadã honorária de Jundiai. Casada com o Arquiteto Araken Martinho, e mãe de Sandra e Fernando.

        Formou-se em Filosofia, Ciências e Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas; é  doutora em Letras Clássicas e Vernáculas pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora da Cátedra José Bonifácio - IRI/USP e membro efetivo da UBE. Fundadora e mediadora do Clube de Leitura da Academia Paulista de Letras e do Clube de Leitura Jundiaiense. Ex-presidente da AJL, oradora da Aflaj e madrinha do Celmi. Pós-graduada em Educação Ambiental.

 

 Autora de numerosos obras, traduzidas, em: italiano, francês e espanhol.

 

 

***

 

UMA CIDADE

 

 

Por Sónia Cintra

 

 

                    Nesses dias, o vento forte que varre Jundiaí trouxe de volta o tempo em que ele levantava a saia rodada das moças, ao passarem pela esquina do Credicity, no centro da cidade. Eram saias franzidas, pregueadas ou plissadas, hoje tão em moda. Saias listadas, lisas e floridas, de algodão, linho ou seda, que cobriam as delicadas anáguas de cetim, jérsei ou morim, com barra debruada de renda, fita ou sinhaninha. Os moços, à porta da Pauliceia, pigarreando com o primeiro cigarro, enquanto aguardavam a saída da Missa das 11, apostavam qual das saias iria se levantar mais alto naquele domingo. Cientes disso, as moças as seguravam junto ao corpo e passavam por eles de nariz empinado, até a quadra seguinte, onde desatavam-se em risos.

            Jundiaí era, então, uma cidade em que amizades e relações de vizinhança não permitiam solidão ou violências. Não raro, a vizinha de casa retribuía os ovos caipiras trazidos do sítio com aquela polenta especial que se cortava com linha. Um milagre, dizia minha mãe. Meu irmão e colegas apanhavam jabuticabas maduras no pé e as lavavam no balde de flandres, para serem chupadas ali no quintal, ainda amornadas de sol, à sombra da frondosa árvore. Que delícias a fruta, a companhia, os segredos e os planos. A escola era o grande tema e os professores estavam sempre em pauta. Quanta curiosidade e gratidão. Quanto respeito e desordem. No Bolão, praticávamos esporte, sob o olhar atento do Maffia, do Nelsão e da Serra do Japi. Aos torneios e campeonatos íamos de trem: todos por um e um por todos, tais e quais os Mosqueteiros.

                  Em tempos de aula, os horários dedicados aos estudos eram rígidos e, nas férias, praças e clubes da cidade alegravam nossas brincadeiras. O Jardim das Rosas era o lugar para torneios de bola de gude; o Largo São Bento, para ouvir o cântico em latim dos frades e admirar as noivas; a Praça da Cadeia (atual do Fórum), para ouvir a passarada cantar nas seculares figueiras; a das Bandeiras, para troca de figurinhas; a Ruy Barbosa, para leitura de gibis; da Matriz, para observar passantes e pessoas que se sentavam nos bancos para conversar, entre canteiros de arbustos e flores. No Escadão, namorados se beijavam. Do Coreto, a banda nos encantava. Sabíamos de cor o Hino de Jundiaí, composto por D. Haydée Dumangin Mojola, e assistíamos ao poente entre as pipas coloridas da Chácara Urbana. Havia feiras no Parque da Uva, festas de imigrantes e procissões nas ruas centrais e nos bairros, como hoje, e muito mais. A cidade era um lugar bonito e acolhedor de convivência com o outro, e a Cidadania era um Bem natural, a ser ampliado “pela tecnologia doce” do futuro, previa o saudoso geógrafo Milton Santos.

Como diz José Saramago: “Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória”. Ser cidadão também é isso.

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links