PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 25 de Fevereiro de 2017
HUMBERTO PINHO DA SILVA - PORTUGAL PERDULÁRIO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nas minhas numerosas viagens a terras de Santa Cruz, sou, por vezes, abordado por amigos, declarando: que os portugueses “ roubaram” o Brasil – Oliveira Martins, diz: que só de Goiás, foram extraídos, cento e cinquenta arrobas de oiro, por ano!: “ O Brasil e as Colónias Portuguesas”. (Para onde foi tanto oiro?!…) Decorridos sessenta anos ... o Marquês de Pombal, escreveu: “ Encontrei uma monarquia esgotada de cabedais…”.

Recentemente, ao folhear: “ Cartas Sobre Educ. da Mocidade”, do pedagogo e médico Ribeiro Sanches (1699-1783) - membro da Acad. De S. Petersburgo; da Acad. Real de Ciências de Lisboa; da Real Sociedade de Londres; da Acad. de Ciências de Paris; e Conselheiro da Imperatriz da Rússia, – deparei com curiosa opinião, sobre o desgoverno português.

Por a considerar interessante, e oportuna, vou trasladá-la, sem comentários:

 

“ As riquezas da África e de toda a Índia Oriental (porque do Brasil, excetuando papagaios, alguma madeira e açúcar, não chegava a Portugal outro rendimento) cobriam as praias de Lisboa. Estas imensas riquezas – a maior parte delas precedidas da conquista de mar e terra, outras dos tributos dos régulos conquistados – se distribuíam pelo soberano, pelos fidalgos e valentes soldados e pelos eclesiásticos. Tanta riqueza, nos primeiros, trouxeram o maior luxo que jamais tinha visto Portugal: el-rei D. Manuel, com péssimo conselho, foi o primeiro que deixou o vestido português nas solenidades, vestindo umas vezes à flamenga e outras à francesa. Prodigiosa quantidade de conventos se edificaram de novo por estes anos, de capelas, de oratórios (mas é reparar que se não aumentaram as paróquias). Cresceram as imunidades dos bispos e dos prelados; a sua jurisdição, pelo novo tribunal da Inquisição e poderem por sua ordem, por seus meirinhos e familiares, prender os leigos. Porque esta monarquia, já formada, tinha para fazer os gastos nas suas pretensões.

“Mas no reino não se fabricava nenhuma matéria de luxo, nem ainda tudo o necessário para viver, pois no ano de 1519 libertou el-rei D. Manuel os trigos e mais sementes estrangeiras de pagarem direitos de alfândega – indício certo que faltava gente que cultivasse. Era preciso que todas aquelas riquezas fossem parar em Inglaterra, Itália, França e em Flandres, muita parte também em Roma. Como o povo português não entrava na legislação da monarquia gótica, nenhuma parte daquelas riquezas se distribuía por ele; e excetuando alguns palácios em Lisboa, e quintas e coutadas dos arredores, igrejas e conventos, nada ficava em Portugal destas riquezas. Assim vemos ainda o reino sem caminhos, sem pontes, com portos e foz dos rios entupidos – sinal certo que não se espalhavam aquelas riquezas pelos oficiais nem pelos mercadores do reino.

“Se el-rei D. João III fosse tão tolerante com os seus súbitos como Carlos V com Castela e Flandres, poderia repartir-se muita parte destas riquezas das Índias por todo o reino. Havia naquele tempo em Lisboa milhares descendência dos judeus batizados, que comerciavam com as nações estrangeiras. A Inquisição, desde o ano de 1544 ou 1545, fez tal estrago naqueles mercadores que a maior parte se foi estabelecer em Anvers, Londres e Hamburgo, e não só levaram cabedais imensos, mas ensinaram aquelas nações, mercadoras já, o comércio da navegação portuguesa. E desta origem veio aquela potente Companhia das Índias da Holanda e a de Inglaterra, fundadas pelos anos de 1600 pouco mais ou menos.

“Quando considero as imensas riquezas que chegaram aos portos do reino, quase por oitenta anos, e que todas iam parar nas mãos de quem trabalhava o que despendiam os portugueses, parece-me que era impossível conservar-se Portugal por um século mais, ainda que não viesse a cair (como veio) debaixo do domínio castelhano: porque estas riquezas fizeram os ingleses, os holandeses, os hamburgueses e muita parte da Itália, ricos e potentes, aumentando-se na agricultura, nas artes e nas ciências; e do estado em que estavam antes, bem moderado e mesmo abatido, vieram - depois da descoberta dos dois mundos - poderosos e altivos, a poder molestar os seus descobridores.”

 

Segundo Ribeiro Sanches, não foi o povo, nem propriamente a nobreza ou o clero, que enriqueceram, mas: “ os ingleses, os holandeses, os hamburgueses e parte da Itália.

Estaria Ribeiro Sanches equivocado?

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto,Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 20:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links