PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 30 de Abril de 2020
HUMBERTO PINHO DA SILVA - A ÚLTIMA RAINHA DE PORTUGAL, D. AMÉLIA ORLÉANS DE BRAGANÇA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rainha_D._Amélia_-_MNC.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No ano do centenário de nascimento da Rainha D. Amélia, meu pai, foi encarregado, pelo conhecido jornalista, Costa Barreto – que muito admirava e apreciava o seu estilo poético, – a realizar pequena homenagem, à última Rainha de Portugal, para o velho matutino portuense: “O Comércio do Porto”.

Baseado no excelente texto, e em informações, que fui colhendo, seleccionei elementos preciosos, que irei apresentá-los ao leitor curioso.

A Rainha D. Amélia, nasceu quando seus pais se encontravam no exílio, em Inglaterra – o Conde Luís Filipe Alberto e a Condessa Isabel Francisca de Assis, – a 28 de Setembro de 1865, no Palácio de Twichenham, e batizada, pelo Rev. Guelle, arcebispo de Westminter, no mesmo dia que nasceu.

A mãe, a Condessa Isabel, educou-a, apesar da grande fortuna que possuía, de forma simples; incentivando-a a conviver, sem preconceito, nem vaidade bacoca de superioridade, infelizmente, tão habitual em alguns membros da Alta e mormente, da “baixa” nobreza.

 

 

9148_521671071345353_2519781117045772418_n.jpg

 

 

 

Quando a graciosa princesa chegou à idade de fazer a Primeira comunhão, em lugar de trajar vestido rico, de elevado valor, como era normal em crianças da sua linhagem, envergou vestidinho modesto, igual ao das meninas pobres da povoação de Eu.

Gostava sua mãe, dizer, para quem a ouvia, e à própria filha, que a vestira com simplicidade, para que ninguém se sentisse humilhado…

A boa educação materna, moldou-lhe o carácter e o generoso coração da princesinha, que mais tarde, seria Rainha de Portugal – D. Maria Amélia Luísa Helena de Bourbon Orléans de Bragança. A Rainha, que apertava, sem pejo, as mãos de modestos operários, e socorria, quase sempre secretamente, os pobres da cidade de Lisboa.

 

 

 

digitalizar0002 (4).jpg

 

 

 

Pelo entardecer, ao lusco-fusco, ou a pleno dia, sob o disfarce de caridosa senhora, acompanhada, apenas por uma dama, a Rainha, saia dissimulada, a visitar os pobres, carentes de tudo…até de afectos.

Além da importância, que deixava, ensinava elementares noções de puericultura; beijava afectuosamente os petizes; e, por vezes, trocava as fraldas dos bebés!...  Com sorriso nos lábios e olhos brilhando de pura alegria.

Quem pensaria, nessa remota época, que a amável senhora, que deixava, juntamente com palavras amigas, a quantia necessária, para que as crianças não passassem fome, era a própria Rainha?!

Nessas horas de caridade, envergava modesto vestido negro; e dissimuladamente, toda de preto, para não ser reconhecida, saía com o rosto sempre velado por espesso véu, que escorria elegantemente do chapéu.

Vestidos, que muitas vezes, eram fabricados por suas próprias mãos assim como os chapéus.

 

 

 

 

amc3a9lia-rainha.jpg

 

 

 

 

 

O dinheiro arrecadado, que de outro modo, iria para modistas de Alta-costura, era inteiramente canalizado para casas de humildes trabalhadores e mulheres marginalizadas.

Foi incansável, também, na luta que travou (com dinheiro e influência,) contra a tuberculose, espalhando sanatórios por toda a nação.

Chegou a transformar a Residência Real de Outão, num hospital!

Seria imperdoável, nesta reduzidíssima biografia, não recordar: que em 1905, fundou o Museu dos Coches, reunindo carruagens, que estavam a detiorá -se, e, certamente, se perderiam para sempre.

Para mim, que dou muito mais valor a actos de bondade, que títulos nobiliárquicos, e universitários, gestos de ternura e generosidade, toca-me deveras o coração, e é excelente exemplo para as senhoras, que apenas, espanejam: dinheiro e beleza, nos salões do high-life.

 

1836b98d3cba900569455538cb6495de.jpg

 

 

A terminar a brevíssima biografia, e ainda a título de curiosidade, acrescentarei:

Chegou a Portugal, para casar, a 19 de Maio, de 1886. Desembarcou no cais da estação ferroviária de Santa Apolónia, na companhia dos pais, irmão Filipe e o tio-avô, duque de Aumâle, general de cavalaria de França.

Decorrido três dias matrimoniou-se, na igreja de S. Domingos. Foi casamento de amor, raro na época, entre membros das Famílias Reais.

 

 

 

[Funeral-da-Rainha-D.-Amlia6.jpg]

 

 

 

Após, aproximadamente dois anos, do monstruoso regicídio, exilou-se em Londres. Depois do casamento do filho, D. Manuel, foi residir no Castelo de Bellevue, em Versalhe, onde recebia portugueses, indiferente às ideologias políticas.

Faleceu, a 25 de Outubro, de 1951, no Palácio de Bellevue, próximo de Paris.

Haveria, ainda, em Junho de 1945, visitar Portugal, terra que nunca a esqueceu, e guardava, apesar de tudo, as mais gratas recordações.

 

 

História em Imagens: A Visitar: Palácio Nacional da Pena



publicado por Luso-brasileiro às 10:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links