PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2019
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - ANO NOVO, MUITA ESPERANÇA QUE O MUNDO FIQUE MAIS JUSTO E SOLIDÁRIO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

73006349_2448637445385150_3785251181584973824_n.jp

 

 

 

 

 

 

 

Normalmente, o final do ano nos convida a um balanço, impõe reflexões, renova esperanças e traz um sentido poético, que em outras épocas não conseguimos revelar. No entanto, há ainda um fator, que é a premência, quase obrigação, de ser feliz, da procura por uma realização plena. Daí surgem aspectos que podem ser frustrantes e até mesmo manifestamente prejudiciais ao nosso ego. A realidade é cruel e alienante, pois revela uma convivência baseada numa cultura consumista, onde a matéria tem preponderância sobre o espírito, prevalecendo o egoísmo, a individualidade e a quase ausência de relações desinteressadas e maduras.

         Efetivamente a vida está mais dura pela distância dos homens à sensibilidade, ao amor verdadeiro, ao respeito ao próximo e ao direito alheio. Por outro lado, a gigantesca desigualdade social provoca uma situação de insegurança em todos os sentidos, além do que, os que deveriam trabalhar pela melhora de tal quadro, ignoram-no de forma a agravar o relacionamento humano e a piorar as condições de milhares de pessoas Vale dizer, a título de reflexão, que será muito bom quando sentirmos sede de justiça, para lutarmos pelo direito de todos ou quando pudermos trabalhar e receber salários dignos para sobreviver. Será ótimo, enfim, quando nos motivarmos a seguir o caminho correto, para transformarmos esse mundo velho em um mundo novo, mais fraterno e solidário.

A efetiva participação de todos é imprescindível ao processo democrático, que não é um objeto pronto e portanto está longe do ideal a se aperfeiçoar. Além do mais, o crescimento e o desenvolvimento do país e de seus cidadãos deve ser uma constante, independentemente de uma página virada no calendário.

O Brasil vive há anos uma séria e grave crise ética, mas apesar dos fatos isolados, por maior repercussão que tenham, constata-se que o nosso povo, ainda que lentamente, vem se amadurecendo e como conseqüência, submetendo nossas instituições a duras provas. Há maiores cobranças de transparência de soluções às questões sociais e de vigilância aos atos de nossos governantes. Verifica-se, principalmente, o avanço de um inconformismo contra as tradicionais dificuldades intransponíveis pela falta de vontade política em amenizar as desigualdades.

De meio para servir a coletividade, o Poder Público passou, com  o tempo, a ser um fim em si mesmo, preocupado com o próprio bem estar e sobrevivência. Daí a importância da mobilização popular no sentido de que ele volte às suas origens, que se atenha às suas funções básicas e o faça com propriedade. Este ano que hoje se inicia promete um contínuo engajamento dos variados segmentos sociais na construção do bem comum, da solidariedade, da fraternidade e da ajuda mútua em todos os níveis, com a oportunidade  de fiscalizarmos a qualidade da representação política, tão deteriorada nos últimos tempos. Com as eleições que se passaram, aumentou a nossa responsabilidade na cobrança daqueles que escolhemos, na convicção que sejam pessoas sérias, corajosas, preparadas e desenvolvam um trabalho árduo em prol de suas comunidades, mesmo que contrariem interesses diversos e escuros de grupos organizados para esses fins.

Nesta época do ano sobram simpatias, análises, cultos esotéricos e religiosos para que tudo melhore. Sobram desejos e pedidos de paz, prosperidade, saúde. Esperamos, no entanto, que as mudanças concretas se sobreponham aos sentimentos repentinos ou as manifestações artificiais.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor da Faculdade de Direito do Centro Universitário Padre Anchieta de Jundiaí. É ex-presidente das Academias Jundiaienses de Letras e de Letras Jurídicas (martinelliadv@hotmail.com)



publicado por Luso-brasileiro às 13:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links