PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Abril de 2018
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - DIA DO TRABALHO E A BUSCA DE UM SISTEMA MAIS JUSTO E EQUITATIVO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                        Comemora-se a primeiro de maio, o Dia Internacional do Trabalho, instituído a partir de um movimento grevista em 1886, em Chigago/EUA, que resultou na morte de diversos operários que reivindicavam uma jornada de oito horas diárias, baseados na tese de um pastor protestante inglês, John Peacock. Ele apregoava que Deus fizera o dia com vinte e quatro horas exatas, a fim de que elas fossem dividias em três, como o número da Santíssima Trindade: oito para o trabalho, oito para dormir e oito para orar.

                   Transcorridos mais de cento e trinta e dois anos, a modernização das relações trabalhistas e o combate ao desemprego são as principais preocupações da maioria dos países. Por isso, o momento pede reflexão e os desafios necessitam ser enfrentados, sob pena de se deturpar totalmente o conceito de modernidade, ou seja, o bem-estar dos trabalhadores ser rebaixado em função do enobrecimento da tecnologia. Destacando apenas o primeiro aspecto, já que o outro merece atenção especial futura, reitere-se que o homem não se define pelo trabalho. Não é somente um ser que trabalha: sua criatividade, sua espiritualidade, sua própria personalidade, transcendem infinitamente seu campo de trabalho. Antes de ser um trabalhador, o homem é uma pessoa que tem seu fim em si mesmo. Onde este princípio é olvidado, o homem volta a ser escravo e seu trabalho reduz seu desenvolvimento e sua dignidade à dimensão materialista.

                   A ideia de sacrificar a vida pessoal pelo trabalho muitas vezes pode terminar em depressão. Segundo o psicoterapeuta carioca Sérgio Garbati, as pessoas costumam sentir um vazio existencial quando percebem que deixaram de viver para se dedicar apenas ao trabalho, o que vem acompanhado do sentimento de culpa e de depressão.

                   Todos nós sabemos que o trabalho é necessário à manutenção e ao desenvolvimento de cada homem pessoalmente e de todos os homens como um grande corpo social. Invocando o Pe. Jadeu Grugs, podemos dizer que “a sociedade humana não pode existir sem um sistema de trabalho organizado. Não é que o trabalho esteja na origem da vida humana, mas a atividade do homem se transformou em trabalho através da organização da vida em sociedade. Em outras palavras, o caráter do trabalho depende da incorporação da atividade do homem na organização social. Entende-se, pois, - e isto deve ficar firme – que a auto- realização do homem precede e transcende o processo de trabalho”.

                   Há algum tempo, a revista francesa Le Ponint, de prestígio internacional, apontou que um funcionário que esteja satisfeito na sua vida pessoal e familiar dobra o seu rendimento no trabalho. Esse conceito, já absorvido por empresas europeias e americanas, começa a ganhar espaço no Brasil. Há uma consciência geral de que o grande passo ao futuro é a humanização das relações no trabalho. Aquela história de vestir a camisa o tempo todo, mesmo que para isso seja preciso se anular, é equivocada.

                   Desta forma, num sentido mais amplo, é preciso aniquilar os privilégios, aliviar a pressão da caldeira e fazer com que as constantes estatísticas aterradoras – acidente de trabalho, miséria, contenção de renda – sejam abolidas da nossa sociedade. Basta existir, para isso, vontade política e responsabilidade de todos na busca de um sistema econômico mais justo e equitativo.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor da Faculdade de Direito Padre Anchieta de Jundiaí. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)



publicado por Luso-brasileiro às 15:29
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links