PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014
JOÃO CARLOS MARTINELLI - DIA INTERNACIONAL DE LUTA DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA

 

                 

 

 

 

 

 

 

 

 

         Um caminho mais produtivo para substituir o preconceito seria canalizá- lo        construtivamente para tornar o deficiente independente tanto quanto a si próprio, como consequentemente em relação à sociedade. Talvez seja este o caminho para atingir um degrau a mais na evolução do desenvolvimento e integração da pessoa portadora de deficiência. Celebrações como a do Dia Internacional de Luta da Pessoa Portadora de Deficiência – 21 de setembro - revestem-se de suma importância para refletirmos sobre  importantes questões de cidadania que afetam tais indivíduos e  que não podem mais ser tidas, como de puro assistencialismo, mas sim de Justiça e Dignidade.

 

 

            O Procurador da República em São Paulo, Luiz Alberto David Araújo, em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo”, certa vez, conclamou as pessoas portadoras de necessidades especiais  a lutarem para exterminar o verdadeiro exílio a que estão relegadas: “mas para garantir os direitos previstos na Constituição é necessário que os deficientes se organizem em entidades próprias e tentem, via Judiciário, a sua implementação”.  As entidades podem entrar com ação civil pública contra o Estado para reivindicar, por exemplo, que parte da programação televisiva se destine ao surdo ou mandado de injunção, pretendendo que a Justiça determine ao Legislativo que regulamente os direitos constitucionais, circunstância até hoje utilizada para justificar o atual quadro de intolerável de discriminação.

 

           Por outro lado, a Lei Maior determina que as ruas, os edifícios públicos e os veículos de transporte coletivo sejam adaptados para garantir o acesso adequado dessas pessoas. Entretanto, como já destacamos por diversas vezes, os próprios prédios públicos continuam a ser construídos desrespeitando-se tais exigências. Os telefones públicos são instalados em cabines onde não entram cadeiras de rodas ou em orelhões nos quais os cegos não conseguem utilizá-los. Não há número suficiente de ônibus adaptados em linhas regulares. Tais aspectos, reitere-se, revelam um manifesto desrespeito gerado pela insensibilidade da maioria dos indivíduos que integram a Administração Pública em todos os níveis e da população em geral, que não cobra nem reivindica determinadas conquistas sociais já adquiridas, colocando os deficientes, muitas vezes, como cidadãos de segunda classe, negando-lhes as mais elementares aspirações, como as de ir e vir, de estudar e trabalhar.

 

                       Além do esquecimento pelo Poder Público, prevalece uma visível discriminação no mercado de trabalho e no próprio convívio social, apesar de existir uma lei específica que garanta para determinado número de empregados vagas proporcionais aos portadores de necessidades especiais. Por outro lado, dispõe a Carta Magna que é proibida qualquer discriminação no tocante a salários e critérios de admissão do trabalhador deficiente e a Lei 7.853 de 24 de outubro de 1989 tipificou como crime esse tipo de preconceito. De acordo com o seu artigo 8.°, constitui delito punível com reclusão de um a quatro anos e multa negar emprego, sem justa causa, a alguém, por causa de sua deficiência”. Essa norma, no entanto, não tem produzido efeito. Tanto que, pelo atual sistema de cotas, uma estimativa conservadora indica que as empresas brasileiras teriam de contratar imediatamente cerca de 600 mil portadores de deficiência, habilitados ou capacitados para cumprir  lei específica. Onde encontrá-los? Esse problema só pode ser resolvido, é claro, por meio de programas que ampliem o seu acesso à educação e à formação profissional. Nessa trilha, ressalte-se, os deficientes mentais são os que mais encontram dificuldades para arrumar emprego, apesar da predisposição para realização de serviços repetitivos. Os surdos, em contrapartida, têm mais facilidade para os que exigem quantidade maior de concentração. Os paraplégicos demonstram grande interesse por computação. Já os cegos são cotados para funções onde o sentido de tato é mais exigido. Entretanto, os deficientes visuais já são maioria nas empresas de telecomunicação, onde trabalham como operadores de “pager”.

 

                        É por isso que a celebração a  21 de setembro do DIA INTERNACIONAL DE LUTA DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA se   reveste de grande importância. Constitui-se num instrumento de meditação para tornar o deficiente independente tanto a si próprio, como em sua relação com a  sociedade. Um evento criado para se buscarem alternativas visando o alcance de alguns degraus a mais na evolução do desenvolvimento e integração da pessoa portadora de deficiência. Os problemas enfrentados por cidadãos nestas condições são inúmeros, como sabemos. Resta-nos tentar soluciona-los, estabelecendo o verdadeiro respeito à legislação e em especial a Constituição Federal.Afirmamos constantemente que seria tão mais lógico e solidário acabar com qualquer espécie de preconceito,  assegurando-lhes  uma vida auto-suficiente e participação na comunidade para que possam crescer, serem vistos, valorizados e mostrarem sua capacidade. “A deficiência é a não eficiência em alguma coisa e, nesse sentido, todos nos encaixamos dentro deste conceito, porque ninguém é capaz de ser eficiente em tudo e, ao mesmo tempo, não existe uma pessoa que não seja deficiente em pelo menos alguma coisa” (HILDA ALOIS, professora da PUC-SP)

                       

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário (martinelliadv@hotmail.com)                    


 



publicado por Luso-brasileiro às 10:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links