PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 26 de Janeiro de 2019
JOSÉ RENATO NALINI - PONHA A MÃO NA CONSCIÊNCIA

 

 

 

 

 

 

José Nalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

A Humanidade é uma entidade estranha. Capaz de incríveis conquistas e das mais abjetas crueldades.

Os otimistas dizem que a vida melhorou. Vive-se mais, a longevidade é um fenômeno científica e empiricamente comprovável. Morrem menos recém-nascidos. As profecias malthusianas não se concretizaram. O agronegócio é um setor que sustém a esperança em dias de verdadeiro desenvolvimento, o que inclui ninguém passando fome e todos vivendo de forma digna.

Mas o Brasil mata mais de 60 mil jovens a cada ano. Mais da metade da população não dispõe de saneamento básico. A abundância de água-doce encontra um feroz inimigo no homem, que a enterra para ceder espaço ao asfalto, a polui e a converte em líquido putrefato, envenenado e morto.

A raça política é abjeta, segundo a avaliação de enorme legião de sofridos párias do desemprego, vítimas da exclusão, da falta de moradia, de perspectivas de uma existência de mínima decência.

Enquanto isso, o futuro é sedutor conforme anuncia a 4ª Revolução Industrial. Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Impressão 3D, robótica, automação, progresso.

A quem se destina tudo isso? Há quem já usufrua do mundo high-tech, dispõe de tudo aquilo que o dinheiro pode oferecer em termos de conforto, bem-estar e sensação de domínio sobre a matéria e sobre os semelhantes. Mas a imensa maioria não tem acesso a esses bens da vida que a mídia espontânea, sustentada pelo capitalismo selvagem, martela sem parar, fustigando as mentes ingênuas, que se iludem com a possibilidade de consumir.

Os economicamente bem sucedidos gozam de elevado padrão de vida. Fazem adequado uso da combinação entre as tecnologias, conhecimentos e capacidades para bem usar de tais avanços. Só que o reflexo social do acúmulo de conhecimento produtivo não é fenômeno universal. Aqui no Brasil e aqui em São Paulo, bem perto de nós, há pessoas que estão com padrão de vida inferior àquilo que se convencionou chamar de mínimo existencial. A miséria e a exclusão residem junto às mansões, aos condomínios, às verdadeiras fortalezas com que os abonados tentam manter-se afastados da condição espúria dos hipossuficientes.

É mais do que urgente eliminar o fosso digital entre habitantes do mesmo espaço físico. O poderoso tem obrigação de pensar no despossuído. Senão, pagará caro pela omissão. Não adianta se esconder nos refúgios cada vez menores em que se aninham os favorecidos, porque um dia nenhuma blindagem será suficiente a protege-lo.

É uma questão de sobrevivência capacitar o semelhante a também se valer daquilo que a inteligência e a aptidão humana desenvolveu e reduzir drasticamente as diferenças. A distância entre os polos está cada vez maior. A reação pode demorar. Mas a panela de pressão está submetida a um fogo constante. Alimentado pela revolta, pelo ressentimento, pela generalização de que a política partidária é uma farsa e que, sem violência, o Brasil não mudará.

Reflitamos, meditemos, partamos para a ação rumo à edificação da Pátria justa, solidária, sem preconceitos, com redução das desigualdades e eliminação da miséria que o constituinte, há trinta anos, prometeu. Promessa que ainda não soubemos cumprir, ensimesmados nas questiúnculas que o egoísmo atroz nos submete numa rotina cega e surda.

Acordemos, antes que sejamos despertados traumaticamente desta letargia e talvez não haja tempo para esboçar reação ou tentar a salvação.

 

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI  é Reitor da Uniregistral, escritor e jornalista, conferencista e palestrante.

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:07
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links