PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2020
JOSÉ RENATO NALINI - QUEM NOS TIRA DO ATOLEIRO ?

 

 

 

 

 

 

 

José Nalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não é brincadeira não. Conseguiram cavar ainda mais o poço. Quando se pensou haver chegado ao fundo, ainda havia outras camadas de miséria a serem removidas. O PIB é uma vergonha. O desemprego continua elevado. O capital externo fugiu. Cérebros também escapam e vão para melhores ares.

Nada obstante, o Estado espetáculo continua a oferecer instantes de fugaz ufanismo. Celebra-se uma proposta, como se ela já consistisse em obtenção do resultado sonhado. Viaja-se, exibe-se, inundam-se as redes sociais com autopromoção. Qual a consistência disso tudo?

O abandono dos espaços públicos nos reconduz àquela fase medieval de imundície e peste negra. Seres humanos habitam os passeios, os vãos, as escadarias, as entradas de lojas, de prédios e de qualquer lugar que os abrigue. Dormem, se alimentam, defecam, transam. Tudo à vista de quem queira enxergar.

Aqueles que têm a fortuna de trabalhar, vão se anestesiando. Passam impassíveis por esse quadro dantesco e o próximo necessitado se torna invisível.

Visível é a perseverança com que grupos bem armados e cada vez maiores, explodem caixas eletrônicos, interceptam comboios de carros forte, se apoderam de dinheiro e de mercadorias alheias.

Nunca dantes neste país, se apreendeu tanta droga. Quantidade suficiente para abastecer mercados rentáveis em todo o planeta.

Os motociclistas superaram os pedestres nas mortes do trânsito. Os índices de homicídio de jovens continuam em alta, em busca do horroroso campeonato do País que mais dizima a sua juventude.

Para compensar, acaba-se também com o meio ambiente. Desarticulam-se as equipes de fiscalização, flexibilizam-se os requisitos para o desmatamento e se libera o ingresso de centenas de pesticidas proibidos no mundo civilizado. Porque no Brasil tudo pode. Aqui não há limites para a inclemência e a insensibilidade em relação a um patrimônio que não foi construído por esta geração dendroclasta e cruel.

À falta de consenso no Parlamento, que foi concebido como a mais importante função, exatamente aquela que formula as “regras do jogo”, sobram atuações teatrais de qualidade discutível. O palavreado nos debates faria Rui Barbosa chorar de vergonha.

A coerência e lucidez do Ministro Paulo Guedes foram postas à prova e a notícia de que ele pode deixar o governo, que deveria causar uma reação favorável à aprovação das reformas imprescindíveis, gerou algo inacreditável: “ninguém é insubstituível!”.

Como foi que o Brasil chegou a este melancólico estágio?

Esquecemo-nos da História. De exemplos de honradez que podem ser invocados, mas que foram varridos da memória coletiva, diante do evidente retrocesso da ética pátria.

Pode-se não concordar com tudo o que eles fizeram. Mas esta Terra de Santa Cruz já teve um José Bonifácio de Andrada e Silva, um Pedro I que precisa ser redescoberto. Um jovem criativo, talentoso, inteligente. Compositor e redator de uma Constituição Imperial – a de 1824 – infinitamente superior à “Cidadã”. Seu pai, um mecenas sereno e ponderado. Um Irineu Evangelista de Souza, o injustiçado Visconde de Mauá que se tornou um dos empresários mais poderosos e ricos do mundo, mas que voltou à pobreza para deixar limpo o seu nome.

Mais recentemente tivemos André Franco Montoro, sempre à frente de seu tempo. O inesquecível San Tiago Dantas, Alceu Amoroso Lima,  E figuras beneméritas como o geógrafo Milton Santos, o erudito Antonio Cândido, o pastor do acolhimento, Dom Paulo Evaristo Arns, o corajoso Dom Helder Câmara, Irmã Dulce, a caminho dos altares, Zilda Arns, Carmem Prudente,  Dorina Nowill. Quantos cérebros privilegiados, existências voltadas ao próximo e ao aprimoramento do convívio.

Quantos mais não serviriam de inspiração no momento angustiante em que a Nação está imersa numa espessa nuvem de ignorância e a lucidez parece ter desistido de bradar e, principalmente, de agir.

Quem é que nos vai tirar deste melancólico atoleiro moral?

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI   -    é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-Graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2019-2020.

 

 

homeless-1152516_1920.jpg

 



publicado por Luso-brasileiro às 17:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links