PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 29 de Fevereiro de 2016
JÚLIA FERNANDES HEIMANN - DIA NACIONAL DA MULHER
                                
                                                              

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                Todos conhecem o ditado: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!”. A frase quer mostrar a validade da constância, da perseverança, quando desejamos alcançar um objetivo. Por isso, não me cansarei de informar que no dia 30 de abril comemora-se o Dia Nacional da Mulher!       
                Mas, o dia 30 de abril passa sem referências, sem homenagens, como se não existisse no calendário das efemérides brasileiras.
                 Devido à ampla divulgação do Dia Internacional da Mulher - sabe-se que é uma data importante, porque cento e vinte e nove mulheres perderam a vida na luta por melhores condições de trabalho; isto no ano 1857, em Nova York. Por esse motivo, o dia 8 de março, é “comemorado” em homenagem a essas mulheres/vítimas.
                 Com a mesma atenção, o Dia Nacional da Mulher deveria ser comemorado pelos brasileiros em 30 de abril, dia do nascimento de uma grande brasileira: Jerônima Mesquita; mas a data e o nome ainda são desconhecidos por muitos.
     E quem foi Jerônima Mesquita?
     Foi uma ilustre mulher que viveu no início do século XX, nascida em Leopoldina/MG, aos 30/4/1880. Os pais a enviaram, ainda moça, à Europa para concluir seus estudos; quando retornou, não se conformou com a situação preconceituosa imposta às mulheres de sua terra natal.
     Dotada de inteligência, perspicácia e muito diligente, Jerônima se uniu a um grupo feminino combativo e fundou o Conselho Nacional das Mulheres.
     Se hoje as mulheres têm direito a voto, devem-no a ela, que foi sufragista e desencadeou campanha nacional para que, em 1932, todas as mulheres, acima de 18 anos, pudessem votar e escolher os dirigentes da nossa Nação.
     Engajou-se em frentes de assistência social, sendo uma das fundadoras da Pró-Matre, hospital beneficente que tinha por objetivo acolher gestantes pobres. Hoje, há hospitais  Pró-Matre em várias cidades com o  atendimento a conveniados
      É consabido que no início do século XX grassava, no Brasil, a fome, a febre amarela, a peste bubônica e a varíola, doenças que eram agravadas pela subnutrição do povo, matando gestantes e seus bebês. Foi nessa época que Jerônima Mesquita mais atuou e fundou esse hospital beneficente.
       Numa das poucas entrevistas que concedeu aos jornais, meses antes de falecer - o que ocorreu em 1972 - disse que ficara feliz com a promulgação da Lei 4121/62, conhecida como Estatuto da Mulher Casada que, entre outras mudanças, concedeu às mulheres o direito de trabalhar fora do lar sem autorização do marido ou do pai, o que era, antes, obrigatório.
         Hoje, com o Código Civil Brasileiro modificado, a situação da mulher está diferente e sua condição jurídica menos discriminatória, pois o Código dispõe que “a direção da sociedade conjugal será exercida, em colaboração, pelo marido e pela mulher, sempre no interesse do casal e dos filhos”. Ela gostaria de ter visto isso. Gostaria, também, de ter colaborado na Lei Maria da Penha que alterou o Código Penal com a introdução do parágrafo 9o. do Art. 129, possibilitando que agressores de mulheres sejam penalizados.
           Voltando ao esquecido Dia Nacional da Mulher, por que não comemorá-lo,  tornando o nome dessa ilustre brasileira Jerônima Mesquita mais conhecido?

           Pensemos nisso, ou continuaremos com os holofotes direcionados para o dia  8 de março, “comemorando” o ocorrido no ano 1857, em Nova York.

          

 
 JÚLIA FERNANDES HEIMANN   - escritora, poetisa e acadêmica. Autora de nove livros.                  
 


publicado por Luso-brasileiro às 10:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links