PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - VIVÊNCIAS DE CARNAVAL E DESATINOS

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 


Vivências de Carnaval e desatinos, em Jundiaí, foram assunto em destaque nas redes sociais e em outros meios de comunicação. Li diversos deles, tanto os que demonstraram o entusiasmo de inúmeros foliões, como os de reclamos. Participei dos festejos do Momo, de 1967 a 1986, nos bailes do Grêmio CP: cinco noites e dois matinês. No carnaval de 1987, meu pai se encontrava acometido da doença grave, que o levou. Não tinha gosto para diversão.  Acabei perdendo o ritmo de confetes e serpentinas. Mas não deixo de considerar que faz parte da cultura brasileira e que se divertir, sem excessos que prejudiquem o folião e o entorno, é muito bom.
Na tarde da segunda-feira de Carnaval, fui ao centro da cidade para uma compra e me surpreendi com o número de jovenzinhos de olhar embaçado, com garrafa de Vodka, de pinga azul Bala Blue...  Aparentavam 13, 14, 15 anos... Que judiação! Conversando com uma professora de ensino fundamental, contou-me que orientara os adolescentes para que se divertissem sem bebida alcoólica. Recebeu como resposta que bebiam para “curtir um barato”.  E quando enjoarem desse “barato”? Em seguida, questionou se a mãe sabia sobre uso de bebida por alguns deles. Retrucaram que também bebia e lhes ofertava. Difícil!
Em 1985, participava de um trabalho denominado “Pró-Menor”, sob a coordenação do Juiz de Menores da época, o inesquecível Dr. Paulo Sérgio Fernandes de Oliveira, e o também saudoso empresário Francisco Siqueira Filho. Dentre outras ações, promovíamos, no final de semana, eventos culturais e esportivos em bairros distantes, com destaque para os valores do local.  Considerávamos a importância de recuperar a identidade dos anônimos sociais. Saber que alguém é fulano de tal, ou reconhecer que é filho desta ou daquela pessoa, é uma maneira de inibir determinadas atitudes desagradáveis.  Penso, portanto, que a apresentação regionalizada dos blocos facilita a identificação e dificulta atitudes incompatíveis com as normas dos bons costumes por parte dos desordeiros.
Quanto ao bloco Refogado do Sandi, é tradição no centro. A organização acontece o ano todo, via “deretora” Gisela Vieira e equipe.  E organização bonita, que reúne as pessoas em eventos diversos em nome da alegria. Não participo, mas acompanho através das redes sociais e imprensa e aplaudo. O Refogado do Sandi me faz lembrar o frevo de Caetano Veloso: “A Praça Castro Alves é do povo / como o céu é do avião/ um frevo novo,/ eu peço um frevo novo/ todo mundo na praça/ e muita gente sem graça no salão...”
Perdoem-me os que pensam o contrário, mas considero adequado o “Refogado do Sandi”, nos seus 25 anos, no centro. Possui história e raízes em um nobre ponto cultural da cidade, o Gabinete de Leitura Ruy Barbosa.  Quantos aos desatinos de alguns – minoria -, será preciso refletir em conjunto sobre uma forma de resolver, sem “enjaular” o Carnaval.




 
 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 17:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links