PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 30 de Junho de 2018
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - ABORTO E O SIM À MORTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
Dois acontecimentos me questionam: em votação popular, no final de maio, a maioria dos irlandeses votou favorável à legalização do aborto até a 12ª. semana de gravidez. Na Argentina, no início de junho, foi aprovado, pela Câmara dos Deputados, por 129 votos a favor e 125 contra, o projeto que legalizará o aborto, até a 14ª. semana, em qualquer circunstância e até os nove meses em casos de violação, risco de vida e saúde para a mãe e inviabilidade fetal.
Nos dois países, vi fotos, após o beneplácito, de mulheres e homens com atitudes eufóricas e li, também, justificativas como: legalizar o aborto pela vida das mulheres, pois as que têm dinheiro o realizam com segurança e as pobres clandestinamente, correndo risco de morte. O essencial é dar condições de vida digna a todas as pessoas que se encontraram afundadas em misérias, em lugar de condenar à morte os seus rebentos. 
Durante audiência no Vaticano, afirmou o Papa Francisco sobre o aborto: “É o mesmo que faziam os nazistas, mas com luvas brancas. (...) Em uma gravidez na qual a criança não está bem ou possui alguma malformação, a primeira oferta é: ‘vamos tirá-la? ’ O homicídio das crianças. Para deixar a vida tranquila, mata-se um inocente”.
Depois da fala do Papa, analisei alguns comentários irados sobre ele, no sentido de que, quando se espera uma renovação e abertura da Igreja, Francisco compara o favorecimento do aborto a posicionamentos como de Auschwitz. E qual a diferença se o que está em discussão ou aprovação é a morte dos mais frágeis?
O argumento de que, no caso de uma gravidez indesejada, o filho parece ser fruto apenas da mulher, sem exigir a contrapartida do homem, é verdadeiro, contudo isso não justifica destruir o bebê que pulsa nas entranhas maternas. Não é ele um amontoado de células inanimado. Se o fosse, não se desenvolveria. Há caminhos como da adoção. E que se lute por leis mais rígidas que punam a paternidade irresponsável.
O feto não é parte do corpo da mãe, apenas o habita por um tempo necessário. Sim à vida, portanto, é permitir que ele venha à luz. 
Quem é a favor da vida, desde a fecundação, não pode se intimidar com as ditaduras ideológicas que justificam assassinatos, pois somos também cidadãs e cidadãos, cumprimos com nossos deveres, pagamos impostos e temos direito a expressar nossa opinião e a lutar por ela. 

 

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.


 



publicado por Luso-brasileiro às 14:57
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links