PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - O OLHAR DELES E O MEU

 

 

 

 

 

 

 

 

Tarde quente de terça-feira. Ainda de férias. Após o teste ergométrico com o propósito de avaliação cardiológica, optei por voltar a pé para casa. Bem distante um ponto do outro. Desejava pisar sobre um fato da véspera, que me apertava em excesso o peito.  Considerava que a caminhada me ajudaria. Existem, não obstante os locais serem de meu cotidiano, novas cenas, que ao passar de carro não percebo. Nas minhas andanças a pé, não importa o motivo, busco paisagens diversas. Às vezes, nesse cenário há uma flor esquálida que brotou na sarjeta e me emociona.

 

Um pouco mais da metade do percurso, decidi entrar na lanchonete de um supermercado e tomar um suco. Minutos depois, vi que me observavam seis meninos de faixa etária aproximada de oito a onze anos, vestidos com simplicidade. Detive-me no olhar deles. Incomodam-me em demasia meninos e meninas com olhos de fome.  Mexem com minhas entranhas. Fome de colo, de proteção, de meiguice, de compreensão, de brinquedo, de mar e de montanha, de paz, de aconchego. Fome de entender o que se encontra na lousa, nos livros e em seu caderno. Fome de inclusão no bairro onde mora, na escola, dentre os de sua faixa etária. Fome de que as diferenças, de todos os tipos, não os joguem para as margens. Fome de família. Fome de saber que é criatura amada por Deus. Fome de respeito por seu corpo e suas emoções. Fome de moradia apropriada, com água, luz e canalização de esgoto.  Fome de mãe e pai que assumam seus filhos. Fome de ouvir o cântico com alma de seus antepassados. Fome de viagens que rompam as fronteiras que lhe impuseram nas periferias. Fome de tratamento médico e dentário adequados. Fome de alimento.  Fome de esperança em seus sonhos. E quantas outras fomes, meu Deus, eles exalam!

 

Os meninos que me espreitavam, vindos do morro do Jardim São Camilo, tinham fome, no passeio que se deram, de salgadinho de aniversário. Notaram que os fitava com aconchego. O menor deles se aproximou e me perguntou sobre a possibilidade de comprar uma coxinha. Dividiriam em seis partes. Fome de guloseimas.

 

Com as coxinhas e os refrigerantes, sentaram-se de forma a não me  perder de vista.  Não lhes perguntei nada e também não puxaram conversa. Trocamos sorrisos.

 

Interrompemos o nosso diálogo de encanto ao chegar uma amiga. Na hora em que terminaram o seu lanchinho, voltaram-se para mim e o maior deles encostou o dedo polegar no coração e fez sinal de positivo. Abracei-o com a expressão de meu rosto.

 

Na quinta-feira, a jornalista e escritora Ariadne Gattolini, que sente, escreve e pensa a justiça social com seriedade e compaixão, enviou-me o  artigo “Não são pobres, são os excluídos da festa”, do jornalista e escritor espanhol Juan Arias, no periódico “El Pais”. Fantástico! Arias comenta que não devemos chamar os pobres assim. No sentido etimológico latino, pobre significa estéril, parir ou gerar pouco.  Aqueles que chamamos de pobres, segundo ele, são os excluídos da festa, os sem oportunidades de serem como nós. Concordo com Juan que os pobres não precisam de migalhas que nossa benevolência joga a eles. “Eles só precisam ter a permissão de ter acesso por direito à nossa festa de pessoas satisfeitas, sem fechar a porta na cara deles e sem chamar a polícia para que sua presença incômoda seja mantida à distância”.

 

Ao saber do acontecido, a minha amiga mencionou que um dos responsáveis pelo supermercado pediu a ela, há algumas semanas, que não pagasse mais  lanche a um jovem que se aproximara. Outro trecho do artigo no “El Pais” me fez refletir sobre o fato: “Quem interessa que continue havendo pobres, contentes com os restos de nosso banquete, é o poder, porque ele não existiria se não houvesse aqueles que poderiam ser dominados e servidos por ele”. Quem saboreia um lanche inteiro não precisa de migalhas.

 

Enquanto vivenciei a situação com os meninos, esqueci-me do acontecido no dia anterior. Permiti, por alguns instantes, direito deles, que  “viessem para a festa” e recebi o que mais precisava: ternura santificada que unge feridas.

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:28
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links