PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 30 de Março de 2015
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - MENINOS DO TRÁFICO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Meninos desconhecidos ou não que se tornam notícia na página policial me comovem e apontam a impossibilidade quase total de trazê-los de volta.

Há estágios para adentrar ao mundo da criminalidade e, atualmente, a maioria dos meninos chega a ele através do tráfico.

Em casa, aquela, aquele ou aqueles que deveriam ser guardiães deixam as portas destrancadas e não cuidam como deveriam. Geram filhos do acaso e depois não os reconhecem como responsabilidade própria. Sei que existem pais e mães que carregam, ao nascerem, conflitos familiares mais intensos não solucionados. Trazemos como legado a visão, as atitudes e os valores de ascendência. Aliás, todas as famílias têm conflitos não resolvidos. Enfrentá-los, encarando-os de frente, é possível. O contrário não é sina ou tragédia, mas inércia. Isso sem falar nos pais e mães que são “mestres” do tráfico para seus filhos.

A escola recebe filhos dos desajustes e não possui profissionais específicos para lidar com os desvios de comportamento de grande parte deles. Alguns se superam, através de um mecanismo interior que surpreende. Desenvolvem um discernimento precoce que os ajuda a escolher o que supera o mal. Os vitoriosos que conheço, embora o meio lhes convide a delinquir, têm Deus como o Senhor de seu caminho. Os filhos da negligência aprendem quase nada por não serem centrados. O pensamento se encontra em fatos outros, que marcam com ferro quente. Reagem aos limites e às reprimendas com agressividade. Afrontam. Zombam das autoridades escolares e danificam o patrimônio público. Nenhuma admoestação, de acordo com a idade e o ECA, é para eles limite. A escola teme que alastrem sua influência. Eles se amedrontam com o vexame crescente provocado pela ignorância. A evasão escolar é certa.

Paralelamente, buscam a vida além da casa e da escola em um ambiente que consideram propício. Ouvem um canto de sereia. Do comércio de ilusões, olham-nos de maneira diferente. Concedem-lhe a “importância” que desejavam. Encontram outros meninos como eles. De início, o trabalho será fácil: observar se uma ameaça se aproxima e avisar os líderes. Ganham, para isso, o seu primeiro celular. De um ponto elevado, seja uma árvore, uma construção ou barranco, vestem-se, em sua imaginação, como um dos heróis das histórias em quadrinho ou dos desenhos da TV. Além da pequena quantia, com nota única, ao final do dia, prometem-lhe que virá muito mais ao longo do tempo: um cavalo de corrida, tênis de marca, bicicleta com todos os equipamentos, videogame... Antes chega a erva, o pó e a pedra, que lhes consomem os sonhos. Na dependência química, se ainda estudam, retornam esporadicamente à escola.

Fora ou dentro do território da casa há palavras ríspidas, violência, descuidos, opressão, angústia. Na rua aumentam as chances de ser detido e participar, interno ou em liberdade, de um projeto socioeducativo. Para eles não faz muita diferença. A casa, a rua e o espaço com grades se assemelham, não mudam o que sentem por dentro. Entendem sua história como de fugas, confrontos e medos. O aliciador, que “confia” nele, exerce com maestria seu poder de persuasão se ele der lucro. Fortalece a ideia de que no tráfico, com suas redes paralelas, está a sua chance. Trataram-nos em casa, desde pequeno, como homem grande. Mataram a criança que morava neles. Verificam que a criminalidade é assunto de homem barbado e se engrandecem do “cargo”.

A única diferença, que poderá fortalecê-los para o bem e transformar suas tragédias em vitória, será, num retorno para casa, se depararem com um lar e deixarem a rua por uma pipa colorida que os aproxime do azul.

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:16
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links