PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Setembro de 2019
PAULO R. LABEGALINI - O CÉU PEDE SOCORRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma das formas mais eficazes de falar sobre assuntos complexos é a linguagem figurativa ou simbólica. Muitas vezes os assuntos mais difíceis se tornam de fácil compreensão quando contados de forma simples. Jesus fazia muito isso através de parábolas e comparações; Ele utilizava o cotidiano da época e eu – muito distante de Sua sabedoria – conto histórias para fazer alguns questionamentos do nosso tempo. Eis mais uma:

Certa ocasião, um empresário de sucesso, mas cheio de problemas familiares, foi procurar um psicólogo. Durante a consulta, o profissional pediu ao homem rico que fosse à janela e descrevesse tudo o que estava enxergando. O empresário falou: ‘Vejo prédios, restaurantes, automóveis e viadutos.’

Em seguida, o psicólogo chamou uma funcionária da limpeza à sala e disse-lhe: ‘Quero que você olhe com atenção e tente me dizer o que está vendo de importante lá fora. E ela relatou assim: ‘Vejo uma fila de pessoas esperando ser atendidas no Posto de Saúde; lá adiante, vejo mendigos deitados debaixo da marquise de um prédio; em frente ao restaurante, vejo gente procurando comida no lixo; percebo também crianças desnutridas pedindo comida nos faróis, jovens com ar de drogados, idosos doentes... quanta coisa triste!’

O psicólogo, novamente a sós com o homem rico, falou: ‘Muito bem, meu caro amigo, agora toma este espelho, olha para ele e diga o que está enxergando.’ Ele respondeu: ‘Ora, pelo tamanho do espelho, vejo tão somente a mim mesmo!’ E voltando a chamar a faxineira, também pediu que olhasse no espelho e descrevesse o que via. Ela estranhou a pergunta, mas disse-lhe: ‘Vejo uma filha abençoada de Deus que tem uma missão importante no mundo: ajudar os que nada têm.’ E o empresário, emocionado, chorou.

Assim é a nossa vida! Muitas vezes nossos olhos ficam cobertos por uma camada de egoísmo que nos impede de ver o quanto somos abençoados. Também não vemos a dor e o sofrimento dos nossos semelhantes e insistimos em resolver somente as nossas dificuldades. A indiferença, a ganância, o individualismo e o comodismo da vida nos impedem de sentir e partilhar a dor dos irmãos. Somos tão 'miseráveis' que não vemos outra coisa a não ser o dinheiro.

É por isso tudo que o Céu está pedindo socorro. Está sobrando lugar no Paraíso! Cada vez menos almas se salvam! Poucos atendem o chamado de Deus! Quase ninguém se importa com a pobreza! Multidões só pensam em acumular bens aqui na Terra!

São Tomás de Aquino comparava a alma do homem a uma folha em branco, na qual, no decorrer de sua vida, registra tudo quanto se refere à sua espiritualidade e à sua conduta moral. Assim, a alma assimila o que chegou a conhecer e a amar. Enquanto o ‘homem religioso’ coleciona o amor a Deus e ao próximo, o ‘pecador que não se converte’ transforma-se em ferrenho adversário do Senhor.

Um chega ao Céu e, o outro, entra no além com tudo quanto assimilou em sua vida terrena: paixões proibidas, vícios, maldades e perversidades. O que buscou a Deus descansará na paz eterna e a alma manchada de pecados mortais irá uivar e ranger os dentes para sempre. Enfim, ou imitamos a Cristo e nos salvamos, ou aceitamos os prazeres da carne e nos condenamos. Nada mais justo!

Eis outra história para reflexão:

Um sujeito fugia de um urso e, ao cair num barranco, agarrou-se às raízes de uma árvore. O animal, bem acima dele, rosnava, babava e mostrava-lhe os dentes. Embaixo, prontas para engoli-lo se caísse, estavam nada menos do que três onças!

Meio perdido, ele olhou para o lado e viu um grande e lindo morango vermelho. Num esforço supremo, sustentou o seu corpo com a mão direita e, com a esquerda, pegou o morango. Então, levou a fruta à boca e se deliciou com aquele sabor doce e suculento. Final da história: ‘Foi um prazer imenso para ele comer aquele morango!’

Mas, vendo que a narrativa acabou, talvez você pergunte: ‘Mas, e o urso?’ Com todo respeito, eu lhe responderia: ‘Dane-se o urso! O importante é saber que o sujeito comeu o morango.’ E as onças? Azar delas que ficaram vendo ele comer o morango!

Lembre-se, leitor, sempre existirão ursos querendo devorar nossas cabeças e onças prontas para arrancar nossos pés, mas nós precisamos saber ‘comer morangos’. E perdoe-me pela insistência, mas você ainda poderia me dizer assim: ‘Eu tenho problemas muito mais complicados para resolver do que os do sujeito da história!’ Eu acredito e imagino que sim, mas os problemas não impedem ninguém de se salvar.

Nas suas maiores provações, coma também o ‘morango’ que Deus lhe dá. Poderá não haver outra oportunidade de atender o grito de socorro que vem do Céu.

 

 

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor Doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas



publicado por Luso-brasileiro às 13:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links