PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2019
PAULO R. LABEGALINI - O MAIOR ABSURDO DOS ABSURDOS !

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Numa edição mais antiga da revista ‘Super Interessante’, consta uma matéria de onze páginas, intitulada: “Bíblia, o que é verdade e o que é lenda”, afirmando que descobertas recentes da arqueologia indicam que a maior parte das Escrituras Sagradas não passa de coleção de mitos, lendas inventadas e propaganda religiosa. Talvez nem valesse a pena perder tempo discutindo tamanho absurdo, mas, para ajudar a combater os anticristos do mundo, vou descrever alguns comentários do autor Vinícius Romanini e procurar emitir uma opinião sobre o assunto.

O texto diz que o Gênesis, por exemplo, é visto como uma epopeia literária. O mesmo vale para as conquistas de David e as descrições do império de Salomão, no Antigo Testamento – chamados de “pequenos líderes tribais” pelo pobre jornalista. Os cientistas citados na reportagem também afirmam que: Abraão e Moisés jamais existiram; não havia muralhas em Jericó quando os hebreus tomaram Canaã; Jesus – com certeza! – foi um judeu sectário e um agitador político, que ameaçava levantar dois milhões de judeus da Palestina contra o exército romano etc.

Ainda sobre Jesus, o relato menciona que tudo o mais que a Bíblia diz Dele necessita de fé para ser considerado verdade. Comenta, também, que Mateus e Lucas omitiram algumas situações do Evangelho de Marcos por considerarem heresias! E afirma: “Em Marcos, Jesus é uma figura estranha que precisa fazer rituais de magia para conseguir um milagre”.

Para encerrar as conclusões ridículas do triste autor ateu, a matéria termina assim: “Uma bela história. Seja a da versão bíblica oficial, a apócrifa ou a que a ciência hoje propõe como a que tem mais chances de ser verdadeira”.

Já basta de asneiras, não? Embora eu relate isso aqui, confesso que li a matéria dando boas risadas das ‘piadas’ que os arqueólogos contam. Dizer que não conseguem comprovar cientificamente a existência de algum personagem bíblico, tudo bem, mas entrar no mérito religioso, contestando as Escrituras Sagradas e a própria divindade de Jesus, só pode ser invenção de quem não tem o que fazer. E mais: de que adianta, por exemplo, sabermos se Adão tinha umbigo? Descobertas sem nenhuma importância para os católicos irão mudar a nossa maravilhosa fé católica?

Eu imagino a momentânea alegria do infeliz jornalista quando terminou de escrever a matéria, achando que lançaria uma grande polêmica na mídia e colocaria dúvidas imensas nas cabeças de quase meio milhão de leitores da revista. Acredito que ele não sabe o que diz a Palavra na carta de São Paulo aos Hebreus: "A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê. Foi ela que fez a glória dos nossos antepassados. Pela fé reconhecemos que o mundo foi formado pela Palavra de Deus e que as coisas visíveis se originaram do invisível" (Heb 11, 1-3).

Portanto, qualquer coisa que venha daquele que não tem uma caminhada de vida cristã, não serve para criar polêmicas religiosas; mas precisamos ficar atentos nessas investidas de Satanás. Somente rezando e evangelizando, estaremos combatendo aqueles que tentam arrastar mais pessoas para o inferno.

E com esse objetivo de salvar almas, contei esta bonita história numa palestra:

No início da civilização humana, havia uma tribo que morava nas profundezas de uma grande caverna. Lá, não conheciam o sol, as estrelas, a natureza e quase nenhum animal. Viviam à beira de um rio subterrâneo, se alimentando de poucos peixes e sempre com medo de saírem daquele lugar.

Um dia, mesmo desautorizado pelos mais velhos, um grupo de jovens resolveu se aventurar pelos caminhos escuros e procurar descobrir outros meios de sobrevivência. Enfrentando muitos perigos, foram em frente até chegarem à boca da caverna. Maravilhados com a luz do sol e o verde da floresta, iniciaram uma discussão para resolver se voltariam ou não à tribo, buscando os que lá ficaram. Como não chegavam a um acordo, alguns foram em frente e outros voltaram – novamente enfrentando todos os perigos, por amor aos familiares que deixaram para trás.

Chegando ao fundo da caverna, os jovens eufóricos começaram a contar tudo o que lhes esperava do lado de fora, mas, julgados loucos pelos mais velhos, foram condenados à morte. Alguns morreram e outros conseguiram escapar, levando consigo mais pessoas para desfrutarem as maravilhas que Deus pôs na natureza.

O tempo foi passando e, quanto mais coisas bonitas descobriam ao ar livre, mais tentativas faziam para trazer para fora aqueles que ficaram na escuridão. E sempre a história se repetia: uns aceitavam, saíam e não se arrependiam; mas outros preferiam não acreditar em nada que lhes contavam e expulsavam os ‘loucos’.

Com base nesta lenda, posso agora dizer que a nossa luta de evangelização segue tão perseverante como o espírito dos jovens naquela caverna. Há muitos que continuam vivendo nas trevas, não conhecem os caminhos da graça e precisam ouvir os nossos testemunhos de fé. Cabe a cada um de nós, mais privilegiados, retirá-los do mundo obscuro que vivem e conduzi-los ao amor infinito de Deus.

Isso não é loucura, pois sempre foi e sempre será assim. Até que Jesus Cristo volte, milhares de pessoas O seguirão e outras infelizes O trairão. Espero que o autor da famigerada matéria da revista não esteja numa caverna muito profunda e que alguém, um dia, tenha fé e coragem para resgatá-lo.

Salve 2020!

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor Doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas.

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links