PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020
PAULO R. LABEGALINI - TRÊS BELAS HISTÓRIAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um homem começou a pintar um barco de vermelho brilhante, como fora contratado para fazer. Enquanto trabalhava, percebeu que a tinta passava por um buraco no fundo e decidiu consertar o vazamento. Quando terminou, recebeu seu dinheiro e se foi.

No dia seguinte, o proprietário do barco procurou o pintor e lhe deu um belo cheque. O homem ficou surpreso com o presente e disse:

- Ontem, o senhor já me pagou pela pintura!

- Mas isto é por ter consertado o buraco.

- Não está me pagando uma quantia muito alta por algo tão insignificante?

- Meu caro amigo, deixe-me contar-lhe que esqueci de mencionar o vazamento e, quando o barco secou, meus filhos o pegaram e saíram para uma pescaria. Imagine meu alívio e alegria quando os vi retornando sãos e salvos. Então, examinei o barco e constatei que você o havia consertado. Percebe, agora, o que fez? Salvou a vida dos meus filhos! Não tenho dinheiro suficiente para pagar-lhe pela sua boa ação. Rezarei para que a Virgem Maria sempre o abençoe por isso. Vá em paz!

Pois é, a nossa felicidade sempre está em fazer outras pessoas felizes; portanto, não importa para quem, quando e de que maneira, mas ajude, ampare, enxugue as lágrimas e conserte os ‘vazamentos’ que puder. Cada boa ação feita com amor, vale como uma caridade a mais e, com certeza, contará pontos para você no Céu.

É importante lembrar que da mesma maneira que gostamos de receber ajuda nas dificuldades, todos gostam, e uns precisam muito mais da nossa compaixão do que imaginamos, como neste próximo caso:

Um jovem disse ao abade do mosteiro:
- Eu gostaria de ser um monge, mas nada aprendi de importante na vida exceto jogar xadrez. Por ser uma bela e nobre diversão, quem sabe se este lugar não está precisando de mim?
O abade estranhou o pedido, mas pegou um tabuleiro, chamou um velho monge e solicitou que jogasse com o rapaz. Antes de começar a partida, porém, acrescentou:
- Embora precisemos de diversão, não podemos permitir que todos fiquem praticando xadrez. Então, teremos apenas o melhor dos jogadores aqui. Se nosso monge perder, ele sairá do mosteiro e abrirá uma vaga para você, meu jovem.
O abade falava sério e o rapaz sentiu que jogava sua própria vida. Começou a suar frio e a olhar para o tabuleiro como se fosse o centro do mundo! E, com muita habilidade nas jogadas, atacou o monge que, mesmo perdendo, não escondia seu olhar de santidade.
Vendo a serenidade do adversário, o rapaz começou a errar de propósito, afinal, não seria justo entrar para o mosteiro daquele jeito. De repente, o abade jogou o tabuleiro no chão, dizendo:
- Jovem, você aprendeu muito mais do que lhe ensinaram. Primeiro, concentrou-se para vencer e foi capaz de lutar pelo que desejava. Depois, teve disposição para sacrificar-se por uma nobre causa. Seja bem-vindo ao mosteiro, porque mostrou que sabe equilibrar a justiça com a misericórdia.

Fatos parecidos acontecem também na vida real, não é mesmo? Eu me recordo que quando tinha 15 anos de idade e morava em São Paulo, fui passar férias em Monte Sião e acabei participando do ‘I Campeonato dos Vagabundos’ – futebol de salão com jogadores que não tinham emprego. No meu time, o capitão era o Oscar, que jogou três copas do mundo pela seleção brasileira.

Chegamos à final do torneio e, no começo do jogo, tive uma distensão na coxa que me impedia de correr. Como não tínhamos reservas, mesmo chorando de dor, permaneci na quadra até o final da partida e vencemos por 1 x 0. A taça era uma enorme caneca de chope, doada pela fábrica de porcelana, e resolvemos sorteá-la aos jogadores campeões. Cinco nomes foram para o papel e... eu ganhei! Fiz muita festa e, já no dia seguinte, voltei a São Paulo, levando a linda taça e sentindo muita dor na perna.

Depois de alguns anos, um colega daquele time me contou que o Oscar havia colocado o meu nome nos cinco pedaços de papel para que eu possuísse a caneca – recompensa por jogar machucado. Fiquei comovido com aquela atitude e, há cerca de quatro anos atrás, fui ‘devolver’ a taça a ele, por ser o primeiro troféu que ganhou antes de se tornar profissional. E a caneca encontra-se exposta no seu centro de treinamento em Monte Sião – o maior da América Latina!

Velhos tempos? Sim, mas tudo o que foi bom e agradou a Deus pode voltar a fazer parte do nosso dia-a-dia. Basta querermos praticar boas ações ou retribuir grandes favores, como fiz com o José Oscar Bernardi. E ele nem sabe, mas rezo por ele, assim como o dono do barco reza pelo pintor que salvou a vida de seus filhos, assim como o monge reza pelo rapaz que o deixou vencer a partida de xadrez... assim como você deve sempre rezar pelo Papa, que também nunca deixou de rezar por você!

 

 

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor Doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas



publicado por Luso-brasileiro às 11:21
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links