PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 25 de Janeiro de 2014
PAULO ROBERTO LABEGALINI - OPORTUNIDADES DE VIDA E SALVAÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

Numa terra em guerra, havia um rei que causava espanto. Cada vez que fazia prisioneiros, não os matava imediatamente; levava-os a uma sala com arqueiros em um canto e uma imensa porta de ferro do outro – na qual estavam penduradas caveiras cobertas de sangue.

 

Nesta sala, ele os organizava em círculo e dizia:

 

– Vocês podem escolher morrerem flechados ou passar por aquela porta.

 

Todos escolhiam morrer rapidamente pelos arqueiros.

 

Ao término da guerra, um soldado perguntou:

 

– Senhor, o que havia atrás da assustadora porta?

 

– Vá e veja – respondeu o rei.

 

O soldado, então, a abriu vagarosamente e percebeu que a porta conduzia o prisioneiro à liberdade. Admirado, apenas olhou para o rei, meio sem entender. E o monarca explicou:

 

– Eu dava a eles a escolha, mas preferiam morrer! Os covardes temiam passar por algum sofrimento maior.

 

E você, leitor, quantas portas deixou de abrir por medo de se arriscar? Se Nossa Senhora não confiasse em Deus e dissesse ‘não’ ao anjo Gabriel, como seria a história da salvação? E Moisés, teria libertado o povo do Egito sem ter sofrido e se entregado à vontade do Criador? Jesus Cristo, que era 100% Deus e 100% homem, também teve medo e, mesmo com todas as provações, fez prevalecer o desejo do Pai, certo?

 

Portanto, confiando sempre na vida eterna e aproveitando cada oportunidade de fazer o bem, estaremos caminhando para a libertação da alma. E trabalhando com amor no coração, aproveitamos mais oportunidades de sermos regidos por Deus – nosso grande Maestro!

 

Para completar esta reflexão, vale a pena conhecer uma história real de alguém que fez o bem e não se arrependeu:

 

Há vinte anos, em face de rodar no turno da noite, o táxi de um bom homem tornou-se um confessionário. Os passageiros contavam suas alegrias e tristezas.

 

Nenhuma viagem tocou mais o coração do motorista do que a de uma velhinha que transportou no mês de agosto. Ele havia recebido uma chamada de um pequeno prédio, numa rua tranquila do subúrbio. Imaginava que iria pegar pessoas de fim de festa, ou talvez um trabalhador indo para o turno da madrugada em alguma fábrica.

 

Quando chegou às 2h30, o prédio estava escuro, com exceção de uma única lâmpada acesa no térreo. Em vez de buzinar, o motorista foi até a porta e bateu. Uma octogenária pequenina apareceu, usando um vestido estampado e um chapéu bizarro – que mais parecia aqueles usados nos filmes da década de 40. Trouxe consigo uma valise de nylon.

 

Quando embarcaram, ela deu-lhe o endereço e falou:

 

– Por favor, vá pelo centro da cidade.

 

– Não é o trajeto mais curto.

 

– Eu não me importo. Não estou com pressa, pois meu destino é um asilo de velhos. Não tenho família e o médico disse que minha vida está no fim.

 

Nas duas horas seguintes, passearam de táxi. Ela mostrou-lhe o edifício que havia trabalhado como ascensorista; andaram pelas cercanias em que ela e o esposo tinham vivido como recém-casados; depois, ela pediu-lhe que passasse em frente a um depósito de móveis, que havia sido um salão de dança que frequentou quando mocinha. De vez em quando, pedia também para dirigir vagarosamente em frente a um edifício ou esquina e ficava com os olhos fixos na escuridão, sem dizer nada.

 

Quando o primeiro raio de sol surgiu no horizonte, ela falou:

 

– Estou cansada, vamos agora.

 

Viajaram em silêncio e chegaram a uma pequena casa de repouso. Dois atendentes muito amáveis caminharam até o táxi assim que parou. Ela sentou-se numa cadeira de rodas que trouxeram para o desembarque e perguntou ao motorista:

 

– Quanto lhe devo?

 

– Absolutamente nada – respondeu ele.

 

– Você tem que ganhar a vida, meu jovem! – insistiu a idosa.

 

– Há outros passageiros que irão pagar – falou o bom homem, com lágrimas nos olhos.

 

Quase sem pensar, ele curvou-se e deu-lhe um abraço. Ela, então, se despediu:

 

– Você proporcionou a esta velhinha bons momentos de alegria. Muito obrigado por dar um pouco mais de sentido no final da minha existência. Que Deus o recompense.

 

Assim que a porta do asilo foi fechada, encerrou-se o ciclo de mais uma vida. Naquele dia, o motorista não pegou outros passageiros. Dirigiu sem rumo, perdido em seus pensamentos: ‘E se a velhinha tivesse pegado um taxista mal-educado, ou algum que estivesse ansioso para terminar seu turno? E se houvesse recusado a corrida, ou tivesse buzinado uma vez e ido embora?’. Ao relembrar, ele concluiu que jamais fez algo mais importante no trabalho.

 

Pois é, estamos condicionados a pensar que nossas vidas giram em torno de grandes momentos já planejados, mas oportunidades para grandes feitos nos pegam desprevenidos e, às vezes, ficam no esquecimento. Por outro lado, sempre haverá pessoas que nunca se esquecerão de coisas boas que fizemos.

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:27
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links