PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 23 de Setembro de 2014
PAULO ROBERTO LABEGALINI - A JANELA DA VIDA

 

 

 

 

 

 

Recebi este texto e gostaria de compartilhar com meus leitores:

 

“Eu era criança quando, pela primeira vez, entrei num avião. A ansiedade de voar era enorme. Eu queria me sentar ao lado da janela de qualquer jeito, acompanhar o voo desde o primeiro momento e sentir o avião correndo na pista cada vez mais rápido até a decolagem. Ao olhar pela janela via, sem palavras, o avião rompendo as nuvens e chegando ao céu azul. Tudo era novidade e fantasia.

 

Cresci, me formei e comecei a trabalhar.  No meu serviço, desde o início, voar era uma necessidade constante. As reuniões em outras cidades e a correria me obrigavam, às vezes, a estar em dois lugares num mesmo dia. No início pedia sempre poltronas ao lado da janela e, ainda com olhos de menino, fitava as nuvens, curtia a viagem e nem me incomodava de esperar um pouco mais para sair do avião, pegar a bagagem, coisa e tal.

 

O tempo foi passando, a correria aumentando e já não fazia questão de me sentar à janela, nem mesmo de ver as nuvens, o sol, as cidades abaixo, o mar ou qualquer paisagem que fosse. Perdi o encanto. Pensava somente em sentar, me acomodar e sair rápido.

 

As poltronas do corredor agora eram exigência, por serem mais fáceis para desembarcar sem ter que esperar ninguém. Estava sempre preocupado com a hora, com o compromisso, com tudo, menos com a viagem, com a paisagem, comigo mesmo.

 

Por um desses maravilhosos acasos do destino, eu estava louco para voltar de São Paulo numa tarde chuvosa, precisando chegar a Curitiba o mais depressa possível. O voo estava lotado e o único lugar disponível era uma janela na última poltrona. Sem pensar, concordei de imediato, peguei meu bilhete e fui para o embarque. Acomodei-me na poltrona indicada: na janela. Janela que há muito eu não via, ou melhor, pela qual já não me preocupava em olhar.

 

E, assim que o avião decolou, lembrei-me da primeira vez que voara. Senti novamente aquela ansiedade, aquele frio na barriga. Olhava o avião rompendo as nuvens escuras até que, tendo passado pela chuva, apareceu o céu. Era de um azul tão lindo como jamais tinha visto. E também o sol que brilhava como se tivesse acabado de nascer.

 

Naquele instante em que voltei a ser criança, percebi que estava deixando de viver um pouco a cada viagem em que desprezava aquela vista. Pensei comigo mesmo: será que em relação às outras coisas da minha vida eu também não havia deixado de me sentar à janela, como, por exemplo, olhar pela janela das minhas amizades, do meu casamento, do meu trabalho e do convívio pessoal? Creio que aos poucos, e mesmo sem perceber, deixei de olhar pela janela da vida.

 

A vida também é uma viagem e, se não nos sentarmos à janela, perdemos o que há de melhor: as paisagens – que são nossos amores, alegrias, tristezas, enfim, tudo o que nos mantém vivos. Se viajarmos somente na poltrona do corredor – com pressa de chegar sabe-se lá aonde –, perderemos a oportunidade de apreciar as belezas que a viagem nos oferece.

 

Se você também está num ritmo acelerado, pedindo sempre poltronas do corredor para desembarcar rápido e ganhar tempo, pare um pouco e reflita sobre aonde você quer chegar. A aeronave da nossa existência voa célere e a duração da viagem completa nunca é anunciada pelo comandante. Não sabemos quanto tempo ainda nos resta.

 

Por essa razão, vale a pena sentar próximo da janela para não perder nenhum detalhe, afinal, a felicidade e a paz são caminhos e não destinos.”

 

Bonita reflexão, não? Eu tomo a liberdade de acrescentar mais algumas palavras, e diria que, na janela da vida, vemos passar coisas boas e outras ruins bem próximas dos nossos olhos. Boas, tipo: justiça, esperança, oração e perdão. Ruins, como: ódio, egoísmo, inveja e mentira.

 

As coisas boas contribuem para a paz no mundo e as ruins nos conduzem à imundice do pecado. Dizer ‘sim’ àquilo que Deus recomenda nem sempre é fácil, pois nossos desejos pessoais gritam forte na mente e favorecem cairmos em tentação. Quem já não passou por isso e, um dia, acabou se arrependendo?

 

Às vezes, nem olhamos as graças acontecendo e só prestamos atenção naquilo que traz sofrimento. Então, antes que a viagem termine, repare quem está do outro lado da janela: o bem ou o mal? E você, está sentado no lugar certo? Quem está ao seu lado pode lhe ajudar ou precisa de ajuda? E o mais importante: aquele coração maravilhoso, puro e cheio de amor que Deus lhe deu quando permitiu que nascesse, ainda bate forte em seu peito?

 

Ah, repare que a janela de sua vida não tem vidraça. Ela é bem espaçosa e está sempre aberta para você alcançar outras oportunidades de amar. Então, acorde! A exuberante viagem eterna mal começou.

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links