PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 29 de Maio de 2014
PAULO ROBERTO LABEGALINI - ESTAMOS NO MESMO BARCO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Há muitos anos, Tom era funcionário de uma empresa preocupada com a educação. Um dia, o executivo principal decidiu que ele e todo o grupo gerencial – 12 pessoas – deveriam participar de um curso de sobrevivência. Teriam que se dividir em três grupos de quatro pessoas, denominados A, B e C, para cruzarem um grande rio.

 

O grupo A recebeu quatro tambores vazios, duas toras de madeira, uma pilha de tábuas, um grande rolo de corda grossa e dois remos. O grupo B ganhou dois tambores, uma tora e um rolo de barbante. Já o grupo C não recebeu recurso algum para cruzar o rio.

 

Não foi dada nenhuma outra instrução a eles além de saberem que todos deveriam atravessar o rio em até quatro horas.

 

Tom teve a sorte de estar no grupo A, que não levou mais do que meia hora para construir uma maravilhosa jangada. Um quarto de hora mais tarde, todos estavam em segurança e com os pés enxutos no outro lado do rio, observando os dois grupos seguintes em suas lutas desesperadas.

 

O grupo B, ao contrário, levou quase duas horas para atravessar. Havia muito tempo que Tom e sua equipe não riam tanto como no momento em que a tora e os dois tambores viraram com os gerentes: financeiro, de computação, de produção e de pessoal. Mas, o melhor estava por vir.

 

Nem mesmo o barulho das águas sufocava o riso dos oito homens quando o grupo C tentou transpor as águas espumantes. Os coitados agarravam-se a um emaranhado de galhos que se moviam rapidamente com a correnteza.

 

O auge da diversão foi quando o grupo bateu em um rochedo, quebrando os galhos. Somente reunindo todas as forças que lhe restava, o último membro do grupo conseguiu atingir a margem, 200 metros rio abaixo. Foi exatamente o profissional mais respeitado por todos: o gerente de logística, que ficou todo arranhado e com os óculos quebrados.

 

Quando o líder do curso voltou, depois de quatro horas, perguntou:

 

– E então, como vocês se saíram?

 

Os integrantes do grupo A responderam em coro:

 

– Nós vencemos! Nós vencemos!

 

O líder comentou:

 

– Acho que entenderam mal; vocês não foram solicitados a vencer os outros! A tarefa seria concluída quando os três grupos atravessassem o rio nas quatro horas. Não pensaram em se ajudar? Ninguém quis dividir os recursos para atingirem uma meta comum? Não ocorreu a nenhum gerente coordenar os esforços?

 

Foi uma lição para todos. Caíram na armadilha, mas, naquele dia, aprenderam muito a respeito de trabalho em equipe e lealdade. Da mesma forma, se parássemos de encarar as pessoas como estranhas ou adversárias, provavelmente sofreríamos menos, compreenderíamos mais os problemas alheios e teríamos muito mais conforto no abraço de um irmão.

 

Infelizmente, nos vemos como rivais, como se estivéssemos em busca de um tesouro tão pequeno que só poderia servir uma única pessoa. Esquecemo-nos que o maior prêmio de nossa existência está na capacidade de compartilhar a vida. É preciso rever nossos valores, pois estamos todos no mesmo barco!

 

Experimente acolher ao invés de se esconder, perdoar ao invés de revidar e, principalmente, amar ao invés de pecar. Tudo isso é possível e extremamente gratificante. A vida fica mais leve, o caminho mais fácil, e a recompensa virá de Deus.

 

Nossa sobrevivência depende de nos empenharmos em compreender o sofrimento do próximo e partilharmos mais também. E lembrando que realmente estamos todos no mesmo barco, precisamos ter mais paciência em casa, na família. Se não colaborarmos para fazer o outro feliz, sofreremos as consequências do desamor. Às vezes, numa resposta mal educada, todo o clima de alegria vai por água abaixo, como neste caso:

 

O marido estava na sala, concentrado na leitura de um livro, quando sua esposa gritou da cozinha:

 

– Meu bem, você me ama?

 

– É claro que amo! – respondeu ele.

 

– Mas, você me ama de paixão?

 

– Sim, amo você de paixão! – falou meio impaciente.

 

– Quem é que você ama mais, eu ou sua mãe?

 

– Muito mais você, meu bem – respondeu suspirando.

 

– Muito mais, quanto?

 

– Eu a amo da mesma maneira que o Roberto Carlos amou a Maria Rita – disse ele jogando o livro no sofá.

 

– Então, amor, prova que me ama desse jeito.

 

– Morra que eu provo!

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.



publicado por Luso-brasileiro às 10:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links