PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 29 de Maio de 2016
RENATA IACOVINO - UMA VOLTA AO PASSADO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Criança, gostava de acompanhar minha avó materna (que morava conosco) em seus passeios: visitas a parentes, a amigas que moravam ao redor, idas à feira livre, à padaria, ao armazém... Os programas eram feitos a pé, pois morávamos no Centro e quase tudo girava naquele entorno.

Havia um lugar que minha avó ia algumas vezes com minha mãe, e eu as acompanhava. Também se situava muito próximo de nossa residência e subíamos a pé. Elas iam ao Cemitério Municipal lavar o jazigo da família de minha avó, levar plantas e flores para a floreira... Aquele ato me fascinava. Fazia-me bem estar ali, parecia uma maneira de conhecer um pouco a respeito de parentes que eu não tivera a oportunidade de conviver, como seus pais e irmãos.

Ouvia um pouco das histórias e saía caminhar pelo cemitério, apreciando os jazigos mais suntuosos, pertencentes a famílias tradicionais ou de personalidades famosas de nossa cidade. Num determinado momento, após idas anos seguidos, eu já sabia o que estava escrito aqui e ali, a que família pertencia tal jazigo e por aí vai.

Quando nos reuníamos no Natal ou Páscoa, por exemplo, as histórias também eram contadas e eu não me importava em ouvir quase sempre os mesmos enredos, ao contrário, ficava esperando por aqueles de minha preferência.

Nessas ocasiões, após comermos exageradamente, íamos “fazer o quilo”, no que consistia, algumas vezes, em uma ou duas voltas no quarteirão, e em outras a caminhada era feita toda ao redor do cemitério.

O ponto de referência de casa era o cemitério. Para indicar onde residíamos, bastava dar essa referência.

Um pouco mais crescida, já explorando vários cantos da cidade a pé ou de bicicleta, eu tinha o costume de passear pelas ruas do cemitério, especialmente quando estava triste ou chateada. Lá me sentia em paz.

Depois fui morar em São Paulo, foi escasseando a oportunidade de estar com parentes vivos ou mortos.

Mais adiante minha avó se foi. E lá estava seu nome junto aos demais que por tantas vezes eu lia quando ali estava com ela em vida.

E assim os entes queridos foram partindo.

Hoje, após tantos anos, estive lá. Com a dúvida se ainda saberia encontrar a rua onde se encontra a campa. Mas encontrei-a de pronto. E lembrei que Natal feliz mesmo foi aquele de minha infância, embora à época não tivesse a menor ideia disto...

 

 

 

Renata Iacovino poeta e cantora / facebook.com/oficialrenataiacovino/ reiacovino@uol.com.br

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:00
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Humberto Pinho da Silva a 30 de Maio de 2016 às 10:53
Muito interessante!Gostei.


Comentar post

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links