PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Abril de 2018
VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI - GUARDAR SEGREDO

 

 

 

 

 

 

 

 

Valquíria Malagoli_Blog da Paz.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Perdi o sono... perdi de vez, porque/ a criança pequenina acorda à noite,/ e eu regressei ao berço por você./ De tão perdida, eis que me encontro, enfim!/ Do tempo, toda a gente estranha o açoite -/ ah, mas se eles soubessem sobre mim.../ Vendavais, intempéries causam medo,/ e a forma como o mundo ruma ao fim.../ Porém, mais me amedronta esse segredo./ Ter que guardá-lo, santo, em relicário;/ ver que escorre, então, por um e outro dedo./ Dizê-lo apenas em confessionário./ Um coração que é um cofre: isso é pavor!/ Tê-lo indefeso e imóvel qual armário,/ guardando os caros bens do seu senhor.”.

Você sabe guardar segredo?

Pela dificuldade que é manter os próprios, a gente consegue medi-la no tocante aos dos outros.

Topamos com essas criaturas – os outros –, tão iguais e imensuravelmente distintas de nós, onde for que estejamos.

O que fazer a seu respeito?

Guardar seu segredo.

Torcer para que, num gesto idêntico, preservem nossa dignidade, mesmo após nos flagrarem, à semelhança de si, menos belos do que o ideal, menos agradáveis do que o pretendido, mais falíveis e infelizes do que o aparente.

Torcer para que, mirando-se em si, sejam tão sigilosos com nossos instintos postos à prova e à mostra, quanto temos sido com os deles, seja por identificação, por algum medo ou solidariedade.

Embora ruim, é-me inevitável, ao topar, dia após dia, na rua, com esses estranhos, perceber que a maioria deles, na face avessa, traz explícito olhar de poucos amigos.

Ocorre-me a reflexão de Álvaro de Campos: “Arre, estou farto de semideuses!/ Onde é que há gente no mundo?”... Mas, a ojeriza passa logo. Basta entrar em casa e dar de cara com o espelho.

“Exploro a estrada que leva ao meu centro:/ este caminho que ninguém explora,/ nem a solidão – esta me ignora!,/ pouco lhe importa se de mim vai dentro./ Examino que mal mais me corrói:/ se a saudade de quem eu fui um dia.../ se uma revolta à toa, nostalgia.../ Junto d´alma esta carne também dói./ Sinto-me tão pesada pra estas pernas;/ minhas mãos são enormes pra estes braços;/ meus olhos diminutos pra este pranto./ Os meus irmãos são luzes de lanternas,/ e desfilam saúde... e eu só cansaços./ eu sou toda pecado... e o mundo é santo!”.

 

 

 

 

Valquíria Gesqui Malagoli, escritora e poetisa, vmalagoli@uol.com.br

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links